A decoração do quarto das crianças vai muito além de elementos que deixem tudo bonito e prático. Ela também pode exercer um papel importante no aprendizado e criar estímulos que vão ajudar o seu filho por toda a infância. Quer saber como aliar estética e desenvolvimento e acertar neste ambiente tão especial?

Um dos fatores mais importantes em um quarto infantil é o uso de cores, que podem – e devem – marcar presença. “O último sistema a ser maturado é o visual, e isso começa já no terceiro mês de vida, quando as imagens ficam mais nítidas e as crianças começam a perceber cores. É interessante que você trabalhe, mas sem pesar, colocando as neutras e frias predominando para favorecer o sono, mas com elementos menores em opções mais alegres para que elas tenham esse estímulo. A percepção visual é uma habilidade muito importante e que precisa ser trabalhada”, explica a psicopedagoga e psicomotricista Luciana Brites, fundadora do Instituto NeuroSaber.

Para conseguir um resultado harmonioso, a arquiteta Carmen Calixto recomenda aplicar cores mais vivas em detalhes bem pontuais, que vão dos pequenos objetos de decoração ao uso de adesivos. “Podemos usar um papel de parede com uma estampa pequena, adesivos coloridos ou nichos que vão trazer esse estímulo sem incomodar”, completa.

Elementos lúdicos

Quarto de criança precisa ter um toque lúdico e divertido, que vai fazer com que a imaginação cresça e seja estimulada. “Elas gostam muito de ter um cantinho como o de leitura, com tapete e almofadas em formas divertidas para deitar e brincar. Nichos com formato de casinha ou com a temática do quarto também deixam o espaço muito legal para expor os brinquedos e livros, que precisam ser visualizados pela criança para que ela brinque mais”, indica Carmen.


Texturas

O tato é outro sentido que precisa ser explorado desde o início da vida, então é válido variar as texturas tanto dos brinquedos, quanto dos móveis e das roupas de cama. “As texturas são muito importantes e caminham junto das cores, porque especialmente nos três primeiros anos eles estão desenvolvendo todo esse sensorial, que está aguçado. É a partir destas percepções que desenvolvemos funções e habilidades mais complexas”, esclarece a psicopedagoga. Para não errar, Carmen aconselha usar almofadas, tapetes que sejam divertidos e bem macios e tecidos variados em roupas de cama ou poltronas, que vão ser gostosos ao toque.

Móveis divertidos

Os móveis podem ter dupla função no desenvolvimento cognitivo do seu filho: desenvolver a criatividade e a autonomia ao deixarem tudo ao alcance das mãos. “Camas com formatos diferentes e em altura que ele possa entrar e sair sozinho são sempre muito válidas e isso é uma tendência muito forte na decoração atual. O mesmo vale para prateleiras, nichos e organizadores, que precisam ser acessíveis para que ele tenha essa autonomia”, revela.